Lembrança

Eram as manhãs que teimava em dormir um pouco mais
foi as decisões que não tomei
metade dos erros que não cometi
por medo
que sou o que sou hoje

foram todos os ônibus errados que peguei
e aqueles que perdi.
foi estar parado na multidão e não saber quem eu era
sem saber o que me tornei
os amigos se foram
sem despedidas
sem abraços
sonhei esse dias que encontrava um deles
e o abraçava.
nunca um sonho foi tão real

via meu irmão em todas os vultos na rua
as casas descendo ao chão como num filme
ainda lembro da dedicatória daquele livro
de todo os caroços de laranja que engoli
e de todos os erros que quero cometer.

{mar}cos

Casa grande

O anfitrião da casa grande
As negras que servem a mesa
As senhoras que fazem bico no bom francês aportuguesado
O tacho na cozinha borbulha
– Será que tá pronto?

Põe mais açúcar nesse toddy
Quanto mais açúcar melhor
Uma lata de leite condensado
Quadro de toddy
Uma de manteiga – mais eu sei que você usa margarina

Bate o bolo dona maria
-Seu Zé do leite já passo?
-Tem fermento pra pão?
-Vo pegá alface na horta.
-Que horas e a missa?

Vamos menina lava essa louça com vontade
Tchau mãe bença?
Deus te abençoe meu filho
Vai chama a tia Carla prá janta!
– Tia vem janta?
Se fosse prá grita, eu gritava menino
“Próxima estação São Bento
Ao desembarcar cuidado”
Com o vão entre o trem e a plataforma.

{MAR}COS

São teus olhos

São teus olhos
Não sei
Será sua boca
Seus braços
Não direi ao certo
Teu cheiro
A macies de teus lábios
A bagunça do seu cabelo de manhã
Do jeito como você me passa um café
A maneira como coloca a roupa de cama
Devo estar alucinando
Ando descalço pela casa
Sinto o perfume do seu shampoo depois do banho
Desço as escadas
Abro a carteira
Pago
E vou embora embaixo de uma chuva
Que desde de ontem teima o dia inteiro.

– Socram

Membro Fantasma

Você me tirou tudo o que eu poderia ser
Tudo o que queria ser
Você me arrancou os sonhos
Arrancou os braços
As pernas

Os meus olhos ainda vêem
Ainda almejam o meu futuro roubado
A perna doí
Um membro fantasma
Ainda tenho minha boca
Grito
Mas, você também levou minhas cordas vocais
(Mudo)

A cabeça nega o que o coração deseja
A mão destrói o que a mente realiza
O ser humana corrói
A vida está sempre num fino fio
E a carpideira anseia por cortá-lo

Você me privou o sono
Me privou os dias
E eu apenas te preveni
Que provendo o amor
Nada disso aconteceria.

{Mar}cos

Pedaço

Quando você segurava minha mão o mundo me engolia
Seus olhos pareciam sempre estar em sitônia com a terra
Por vezes nos afogávamos em nosso quarto

Pra mim você era como um mar aberto
Como uma alma errante que encontrei
Tirei seu capuz e te pus em minha garrafa

Sei que você não esperou minha partida
O bom de tudo isso é a saudade
Daquilo que não poderemos ser
Há sempre uma agonia finita para as coisas que deixamos escapar com a vida

Naquele aeroporto nossas mãos se entrelaçaram pela última vez
Você tinha me dito que para poder uma pessoa fazer falta
Era preciso levar um pedaço dela junto

O sol já não esquenta minha pele
E eu carrego o seu pedaço todos os dias

{Mar}cos

Oceano

Me perdi em teus sonhos
Nos espaços vazios da memória
Uma carta
Já muito morta
De um pedido de socorro

Você me sufocou
E afogamos
Num mar de estradas

Sem nem saber
Nos perdemos
De um clarão imenso
Nos cegamos
E antes de perceber
Já tínhamos partido
E eramos amantes

{Mar}cos